quinta-feira, 22 de março de 2018

Assembleia discute morte de Marielle, Direitos Humanos e Democracia no RN


Resultado de imagem para MARIELLE

A Assembleia Legislativa promove nesta sexta-feira (23) audiência pública com o tema “a execução de Marielle e a defesa dos Direitos Humanos e da Democracia no Brasil”. O debate, proposto pelo deputado Fernando Mineiro (PT), acontece no auditório da Casa Legislativa, a partir das 15h30. Para o parlamentar, a audiência será um ato de “solidariedade, resistência e repúdio à violência”, oportunidade para discutir medidas em favor da preservação dos direitos humanos.


“É um chamamento para que a gente enfrente esses tempos tão duros de forma unida, de frente, fazendo as denúncias desses abusos. Não conhecia a Marielle pessoalmente, mas gostava de sabê-la viva, negra, mulher, destemida. Militante pelo sagrado direito humano à vida, à felicidade. Parceira de rebeldia e sonhos. Sua covarde execução me dói, entristece e revolta”, afirma Mineiro.

A vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no último dia 14, na região central do Rio de Janeiro. A principal linha de investigação da Divisão de Homicídios do Rio aponta que os dois foram vítimas de execução. A parlamentar tinha sido escolhida relatora da comissão responsável por acompanhar a intervenção militar no RJ e vinha denunciando a violência da PM contra negros das favelas do Rio de Janeiro.

A secretária de Mulheres do Partido dos Trabalhadores no RN, Divaneide Basílio, enxerga a audiência pública como uma forma de manter o assunto em evidência. Para ela, o assassinato da vereadora carioca simboliza a morte de muitas outras pessoas que lutam pela democracia e justiça social.

“É uma tentativa de nos calar, mas nós estamos fazendo o oposto disso: estamos falando, denunciando, exigindo justiça. A audiência pública não será só um ato de solidariedade, mas um processo educativo para a sociedade sobre o que está acontecendo no país”, argumentou.

Foram convidados para o debate representantes do Conselho Estadual de Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Centro de referência em Direitos Humanos da UFRN, partidos políticos comprometidos com os direitos humanos e instituições religiosas.